História do Município de Curimatá

por Interlegis — última modificação 04/09/2015 13h58

Curimatá é um município brasileiro do Estado do Piauí, localizado na macrorregião Chapada das Mangabeiras e na microrregião denominada Chapadas do Extremo Sul Piauiense, a uma latitude 10º02'11" sul e a uma longitude 44º18'22"oeste, estando a uma altitude de 328 metros. Sua população estimada em 2010 era de 10.761 habitantes, dos quais 7.084 (65,8%) vivem na sede e 3.677 (34,2) reside na zona rural. Conforme o censo 2010 a população é composta por  5.455 habitantes masculinos e 5.306 habitantes do sexo feminino.

Possui uma área de 2.378,9 km², o que corresponde a uma densidade populacional de 4,5 hab./km², em dados de 2006. Curimatá está em sétimo lugar no IDH das cidades do Piauí.

O atual Município de Curimatá, desmembrado de Parnaguá, teve origem em uma data de terras denominada Geti e adquirida por Damásio de Carvalho Mourão, em 1717, quando ali se instalou. Em 1741, foi construída a capela de Nossa Senhora do Bom Sucesso, pelo Capitão-mor Manoel Marques Padilha do Amaral, erguendo-se, em torno dela, pequeno povoado, que recebeu o nome de Curimatá, em virtude do riacho Curimatá, abundante em peixe e que banha o território.  Em 1922, praticamente destruído pela ação de bandoleiros, o povoado só restabeleceu seu desenvolvimento nove anos depois, com a chegada de Abdias Albuquerque. À frente da operação de reconstrução, Abdias instalou um centro comercial para os produtos da região e outros de que a população necessitava.  Em 1937, o professor Samuel Dourado Guerra fundou o Instituto Educacional Julião Guerra, atraindo grande número de famílias da ribeira do Curimatá para a localidade. O Instituto foi outro marco importante na história de Curimatá.  Em 1952, a transferência da Sede do Município de Parnaguá, para Curimatá, não se consolidou. No ano seguinte, foi criado o Município.

Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Curimatá, pela lei estadual nº 895, de 29-10-1953, desmembrado de Parnaguá. Sede no atual distrito de Curimatá ex-localidade. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-06-1954. 

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede. 

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de Curimatá é 0,607, em 2010. O município está situado na faixa de Desenvolvimento Humano Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699). Entre 2000 e 2010, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi Educação (com crescimento de 0,230), seguida por Longevidade e por Renda. Entre 1991 e 2000, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi Educação (com crescimento de 0,167), seguida por Renda e por Longevidade.

Atualmente, o Município de Curimatá exerce forte influência econômica na microrregião (Chapadas do Extremo Sul), tendo como principal atividade econômica a agropecuária, seguida pela atividade pesqueira e a mineração, devido ser um dos maiores produtores de Calcário do Estado do Piauí. O Município, nos últimos anos, se tornou um grande produtor de peixes, graças à de construção da Barragem Algodões II, a segunda maior represa do Estado em volume d'água e, por possuir em seu território várias lagoas perenes (Ipoeira, Lagoa do Fundo, Lagoa do Pau D'Arco, etc), com alta concentração das mais variadas espécies de peixes. O Município possui uma agência do Banco do Brasil e do INSS, além de vários correspondentes bancários, o que atrai muita gente dos municípios circunvizinhos (Avelino Lopes, Morro Cabeça no Tempo, Júlio Borges, Parnaguá e Redenção do Gurgueia), tornando seu aspecto bastante peculiar em relação aos demais municípios da região.

Gentílico: Curimatense